Um aviso importante aos leitores do Bardonista

(English version below)

Um aviso importante aos leitores do Bardonista

por A. Anydoros – 2 de dezembro de 2015

Recentemente, muitos comentários e relatos negativos a respeito da escola The Divine Science (TDS), chefiada por Daniel Murphy (Prophecy) e Chris Murphy (Frater Veos) têm surgido, tanto no fórum de discussão Veritas quanto num website dedicado, TDS Sanctuary (www.tdssanctuary.wordpress.com).
Eu me sinto obrigado a fazer uma declaração sobre isto por uma razão importante: existe muito material escrito por Prophecy e Veos no Bardonista, e este material pode ter encorajado ou encorajará brasileiros a buscarem se tornar um membro da escola The Divine Science. Portanto, eu tenho a responsabilidade de chamar a sua atenção às alegações perturbadoras feitas nos últimos meses.
Uma descrição curta do meu relacionamento com a escola é necessária. Eu fui um dos primeiros a se unir à incipiente classe Brahmanda Tantra Yoga, de Prophecy e Veos, em 2009. Contudo, eu não fui um estudante ativo após aquela primeira classe, e eu nunca tive um relacionamento constante ou próximo com Prophecy, Veos, ou colegas estudantes. Eu nunca os conheci em pessoa. Porém, eu coloquei um banner promocional redirecionando ao site da The Divine Science em Bardonista por minha iniciativa, porque eu pensava, na época, que eu deveria promover a única escola que eu conhecia que tinha tantas práticas compartilhadas com os ensinamentos de Bardon. Desde então, o banner foi removido.
Na posição de observador, eu assisti a uma mudança de foco em TDS de uma perspectiva oriental, baseada em Yoga, para uma ocidental, com filosofia platônica como raiz. Eu também percebi, em minhas infrequentes visitas ao website da escola, o aparecimento de captações de recursos e retiros (viagens coletivas periódicas a lugares isolados, com os custos pagos pelos estudantes), e tarefas de ensino delegadas aos membros sêniores, que se tornaram professores (na terminologia da escola, Daskaloi). Anos depois, eu tive uma consulta astrológica com Veos, pela qual eu paguei cem dólares (o mínimo sugerido na época era de cinquenta dólares). Essa foi a minha única contribuição monetária à escola.
Como podem perceber, a minha experiência na Divine Science é extremamente limitada. Entretanto, eu posso dizer que foi muito positiva. Na primeira classe, Brahmanda Tantra Yoga, a fusão de Yoga e magia parecia fazer sentido. Prophecy e Veos pareciam bem informados, altruístas e cuidadosos com seus estudantes. Aconteceram também alguns fenômenos mágicos que foram presenciados por muitos dos alunos, incluindo eu mesmo. Eu não tenho absolutamente nenhuma reclamação a fazer sobre aquela época. Posteriormente, a consulta astrológica de Veos foi impressionante e notavelmente correta.
Outros membros da escola, porém, não tiveram uma experiência tão boa quanto a minha, incluindo um ex-professor, Daniel Murawsky, que tem um blog chamado TDS Sanctuary (www.tdssanctuary.wordpress.com). As histórias postadas por Daniel e ex-alunos da escola são tão preocupantes quanto a resposta de The Divine Science: o envio de uma carta a Daniel ameaçando processá-lo.
Também tem havido críticas ao comentário de Veos sobre O Caminho do Verdadeiro Adepto em relação a, entre outras coisas, o conselho dele sobre requerimentos mínimos (por exemplo, ele sugere 30 minutos em exercícios de controle de pensamento em vez dos 10 minutos de Bardon). Os autores são também altamente críticos da alegação de Veos sobre sua experiência prática com os últimos Graus de CVA.
Eu não sou um aluno da The Divine Science mais, mas, se eu fosse, eu absolutamente acolheria uma réplica minuciosa, ponto por ponto, de todas essas acusações e alegações feitas contra The Divine Science (em vez de a declaração não específica e quase indiferente que li no website deles, antes de a minha filiação ser cancelada por inatividade).
Outra coisa que eu acolheria ainda mais é a abertura de todas as informações de ordem financeira que dizem respeito à escola, de modo que os alunos saibam exatamente aonde seus pagamentos de filiação e captações de recursos estão indo. Eu não consigo imaginar por que, em meu conhecimento, The Divine Science não torna essa informação disponível livremente a seus estudantes ou por que seus membros não a exigem. Eu poderia estar errado, mas eu vejo The Divine Science como isenta de fins lucrativos. Não seria natural a uma organização dessa natureza prover o mais alto nível de transparência a seus membros?
Espero que estudantes atuais ou futuros de The Divine Science ou até leitores dos escritos de Prophecy e Veos se tornem mais envolvidos e críticos em relação a essas questões.
Todos os escritos e informações providas por Prophecy e Veos e traduzidas por mim permanecerão aqui, a não ser, é claro, que eles me digam o contrário. Além disso, eu ficaria contente em postar (ou remeter) quaisquer respostas feitas por The Divine Science ao blog TDS Sanctuary e a essa declaração. Comentários poderão ser feitos nessa postagem, mas os membros da escola podem me contatar em agammenonanydoros@gmail.com.

An important disclaimer to Bardonista readers

by A. Anydoros – Dec 2nd, 2015

Recently, many negative comments and reports regarding The Divine Science school (TDS), headed by Daniel Murphy (a.k.a. Prophecy) and Chris Murphy (a.k.a. Frater Veos) have surfaced, both on the Veritas discussion forum and a dedicated website, TDS Sanctuary (www.tdssanctuary.wordpress.com).
I feel obliged to make a statement about this for an important reason: there is a lot of material written by Prophecy and Veos at Bardonista, and that may have encouraged or will encourage Brazilians to seek and join The Divine Science school. Therefore, I have the responsibility of raising your awareness to the aforementioned unsettling claims made in the last few months.
A short description of my relationship to the school is necessary. I was one of the first to join Prophecy and Veos’ fledgling Brahmanda Tantra Yoga class in 2009. However, I was not an active student after that very first class, and I never had a constant or close relationship with Prophecy, Veos, or fellow students. I never met them in person. However, I placed a promotional banner to the Divine Science website on Bardonista out of my own initiative, as I thought then that I should promote the only school that I knew that had so many shared practices with Bardon’s teachings. The banner has since been removed.
As an observer, I saw a change of focus at TDS from a Yoga-based, Oriental perspective to a Western one, with Platonic philosophy at its core. I also perceived, in my infrequent visits to the school’s website, an emergence of fundraising and retreats, and teaching tasks delegated to the more senior members, who became teachers (in the school’s terminology, Daskaloi). Years later, I had an astrological consultation with Veos, for which I paid one hundred dollars (the suggested minimum at the time was $50). That was my only monetary contribution to the school.
As you can see, my experience in the Divine Science is extremely limited. Nevertheless, I can say that it was very positive. In the first Brahmanda Tantra Yoga class, their fusion of Yoga and magic seemed to make sense. Prophecy and Veos seemed knowledgeable, selfless and caring of their students. There happened also some magical phenomena that were perceived by many of the students, including myself. I have absolutely no complaints about that time. Later, Veos’ astrological consultation was impressive and remarkably correct as well.
Other members of the school, however, did not have as good a time as me, including a former teacher, Daniel Murawsky, who has a blog called TDS Sanctuary (www.tdssanctuary.wordpress.com). The stories posted by Daniel and former students of the school are as troubling as The Divine Science’s response: sending Daniel a letter threatening litigation.
There has also been criticism of Veos’ commentary on Bardon’s Initiation into Hermetics in regards to, among other things, his advice on minimum requirements (for example, he suggests 30 minutes in thought control exercises instead of Bardon’s 10 minutes). The authors are also highly critical of Veos’ claim of practical experience with the later Steps of IIH.
I am not a student of The Divine Science anymore, but if I were, I would greatly welcome a point-by-point, thorough rebuttal of all those accusations and claims made against The Divine Science (instead of the quasi-nonchalant, nonspecific statement I read on their website just before my membership was canceled for inactivity).
Another thing I would welcome even more is the opening up of all financial information regarding the school, so that the students know exactly where their membership payments and fundraisers are going. I cannot fathom why (to my knowledge) The Divine Science does not make that information freely available to their students or why their members do not require it. I could be wrong, but I perceive The Divine Science as a nonprofit. Would it not be natural for an organization of that nature to provide the highest level of transparency to their members?
It is my hope that current or prospective students of The Divine Science or even readers of Prophecy and Veos’ writings become more involved and critical regarding these issues.

All writings and information provided by Prophecy and Veos and translated by myself will remain here, unless, of course, they tell me otherwise. In addition, I would be glad to post (or link to) any responses made by The Divine Science to TDS Sanctuary and to this statement. Comments will be available for this post, but members of the school can contact me at agammenonanydoros@gmail.com.

8 comentários:

  1. Lembro de ler as primeiras críticas aos irmãos Murphy ainda no extinto orkut. Parecia claro o comportamento de culto que adotavam.

    Apesar disso ambos aparentavam ter um amplo conhecimento sobre hermetismo, yoga etc. Ainda assim não acompanhei muito do eles escreviam ou do que se escrevia sobre eles.

    Mas minha crítica como a de muitos vai para o comentário sobre IAH. Os requisitos mínimos em alguns graus vão muito além do necessário para prosseguir nos graus seguintes. Em alguns casos quase impossíveis de se atingir. Como nos casos do esvaziamento da mente ou no treinamento da imaginação, onde o exercício de trataka aconselhado me parece uma enorme perda de tempo.

    O Justin Beldwell escreveu seu comentário sobre o IAH de maneira muito mais realista e factível. O próprio critica veladamente Veos e Prophecy nos comentários da postagem de seu blog que fala justamente do controle mental. Apesar de não citar nomes me pareceu claro que ele critica justamente o trabalho dos irmãos Murphy.

    Deixo aqui o link da postagem onde o referido comentário pode ser encontrado. Procure pelo quinto comentário do autor.

    http://justinbthemagician.blogspot.com.br/2014/09/thought-control.html

    Uso Beldwell como referência pois o mesmo me parece ter um grande conhecimento prático em seus escritos. E por ter encontrado ressonância do que ele escreve e minha própria experiência prática. (desde 2001)

    Ao caro Agammenon que sempre gentilmente traduziu e postou aqui no Bardonista o rarissimo material sobre Bardon existente, eu recomendaria que repostasse o comentário de Veos, com a observação de que muitos praticantes mais experientes consideram os requisitos de Veos extremos e mesmo inatingíveis em alguns casos.

    Também recomendaria a tradução do referido artigo do justin Beldwell que fala sobre disciplina do pensamento. Acredito que o mesmo seria de grande ajuda aos praticantes do caminho.

    ResponderExcluir
  2. Olá amigo!

    Tenho acompanhado o site! Tem ajudado na minha caminhada!

    Faz temo que não tem atualização no site!Achei que tinha abandonado a senda!

    Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  3. Estou muito surpreso com essa notícia, realmente. E pensar que passei 7 anos apenas para passar do primeiro exercício, praticando os 30 minutos recomendados pelos irmãos Murphy ao invés dos 10 estipulados por Bardon. Não sei agora se fiz o certo ou incorri em grave perda de tempo. Agradeço sinceramente ao administrador do site pela nova informação, estava "andando no escuro" todo esse tempo, sem noção alguma do que estava acontecendo naquele grupo.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Recomendo, além da postagem de Beldwel ja mencionada, ler as correspondências (e-mails) disponíveis no site de rawn clark e um video de JRR Abrahão sobre Bardon. A partir disso, tem-se uma visão mais realista e autónoma sobre o que é ter habilidade técnica desenvolvida o suficiente para prosseguir versus ser um mestre expert no exercício A ou B.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  6. Já faz um tempo que não vejo o blog. Acreditava que havia sido abandonado. Felizmente, movido pelo acaso, acesso e percebo que estava inativo pela falta de necessidade de novas postagens. Fico feliz, sabendo que os administradores ainda abraçam o caminho.

    Pois bem, decido me manifestar como neófito que sou, apesar de neófito há alguns anos... Indiferente a meus motivos para falta de progressão, felizmente tenho algo a contribuir com a comunidade bardonista no tocante aos dois primeiros exercícios mentais prescitos por Bardon.

    Não vou criticar, apoiar a crítica ou refutá-la, no que diz respeito ao trabalho de Veos e Prophecy com relação adaptação das práticas. Reconheço que, de fato, e como sugere o Mestre Arion, há a necessidade de se prolongar o exercício no caso de pessoas inexperientes com práticas de meditação, ainda que de acordo com suas necessidades particulares. Contudo, não se deve generalizar.

    E referente ao texto disponibilizado em um link de um comentário anterior, não há receita para o sucesso na Disciplina do Pensamento, apenas a necessidade da prática honesta e comprometida. Não há, nesse exercício, requisito de sucesso, apenas de continuidade, devendo-se avançar ao seguinte depois de decorrido tempo suficiente para desenvolver a concentração e fixação no agora.

    Agora, referente a TDS... Bardon não instituiu uma escola de magia. Ou uma Ordem para a Iluminação. Não importa aqui a terminologia, mas o significado. IIH é o caminho de um para muitos. Cada um deve adaptar os exercícios de acordo com suas necessidades observáveis e as prescrições de nosso querido mestre. Uma instituição regente do processo não somente não é necessária como pode ser prejudicial. Vou explicar.

    Estudando com gnósticos, aprendi o conceito de horizontalização. Este diz que, depois de um determinado tempo, o processo iluminador perde seu efeito por ser "decodificado" pelas entidades regentes do carma, necessitando ser modificado. Para que haja esta horizontalização, o conceito libertacional precisa ser reconhecido pelas entidades dominantes da era, ou seja, precisa ser legitimado por uma Ordem ou Escola de Mistérios.

    Lembramos que, em Frabato, Bardon não aceitou ser vangloriado como um santo ou mesmo ter destaque na sociedade. Ele manteve sua prática em sigilo e aconselha o mesmo sigilo logo início de IIH. A meu ver, uma escola como a sugerida por Veos e Prophecy está não somente sujeitando seus conceitos a horizontalização como ao ensinamento como um todo, sendo pesadamente prejudicial.

    Deixando os gnósticos a parte e tratando mais o hermetismo em si, sabemos que o desenvolvimento é individual e pode ser mais ou menos rápido para cada caso. Ao restringir a evolução aos atingidores de uma meta acima da proposta por Bardon, na verdade, é uma elitização do desenvolvimento, visto que as metas de Bardon são, como ele mesmo deixou claro, para o homem comum.

    Agora, não sou contrário a ideia de que os Bardonista devem se agrupar, mas pelos motivos acima, me oponho firmemente ao nascimento de uma igreja bardônica.

    ResponderExcluir
  7. também concordo igreja bardonica? me oponho. nos podemos nos agrupar e nos ajudar! mas transformar igreja e nu sei que. pessoal leiam o bardo parte teorica isso que ele não quer. vamos nos ajudar. mas nada de fanatismo.

    ResponderExcluir